25 jul, 2017 // por Dienifer Reis
Às vezes a vida segue um rumo totalmente diferente daquilo que sonhamos fazer, ter e ser

Falta exatamente uma semana para os meus vinte anos. E quem eu sou até agora?

Alguns aniversários me fazem pensar sobre minhas ações, pensamentos frequentes, autoestima, metas, sonhos, fracassos, conquistas… E, pensando na minha vida, cheguei a conclusão de que ela não é muito bem o que eu esperava que fosse atualmente. Mas e daí se eu ainda não tenho carteira de motorista? Era algo que eu sonhava em conquistar aos 18 e ainda almejo, mas tudo bem, já estou providenciando por conta própria e me orgulho muito disso! E qual o problema se eu não moro sozinha e nem tenho um mini porco rosinha, se não vou à academia todos os dias, se meu blog não é famoso, se não viajo a cada seis meses pra ver a família no Rio Grande do Sul, se não vejo minhas amigas toda semana (na verdade, se as vejo uma vez ao ano é muito, e é bom) e se até agora não fui pra China conhecer a casa e o cachorrinho da minha tia?

As coisas foram acontecendo de um jeito tão inesperado e milimetricamente perfeito pra mim que parece que foram planejadas por taaanto tempo que quando eu as conto até soa estranho. Como, por exemplo, quando meu sogro me convidou pra comemorar os 50 anos dele junto com a família numa viagem especial, quando contei na faculdade que o dono da maior revista de Fortaleza me convidou (por direct no instagram!) pra uma reunião com eles e, logo depois, me tornei estagiária, ou quando me toquei de que sim, eu moro com o meu namorado e não mais com os meus pais. Inclusive já falaram que somos praticamente casados já que dividimos nossas despesas pessoais, o armário e a cama. Será?

Eu nunca pensei que viajaria pra Europa antes dos 30 (que supostamente era quando eu teria dinheiro pra isso), nunca achei que entraria pro time da inVoga ou de qualquer outra revista com tão pouco tempo de faculdade, jamais planejei morar na casa dos sogros, na verdade, sempre pensei que isso fosse chato, inconveniente… e cá estou eu há cerca de um ano e meio (e amando). E o meu cabelo??? Quando que eu sonharia que teria um corte Midi Bob curtíssimo (na nuca!) e super preto?

Essas e outras coisas que os dezenove anos me trouxeram só serviram pra reforçar na minha mente que hipóteses e sonhos nunca são demais, por mais inalcançáveis que pareçam estar. Que não faz mal algum se permitir, se jogar de costas no novo, se descobrir ou se reinventar. Alguns números me fazem mudar da noite pro dia, como foi com os doze e os dezesseis. É como se minha perspectiva de mundo, minha postura, minha forma de se expressar, é como se tudo mudasse num click. Será que com os vinte também vai ser assim? Bem, só sei que o mundo deu suas voltas e por elas eu andei. 


 

27 abr, 2017 // por Dienifer Reis
Entendemos a dificuldade que é encontrar um estágio nessa área, por isso, criamos um programa pra te ajudar

Com certeza você já deve ter me visto desabafar no InstaStories ou no Snap o quão difícil é conseguir reconhecimento como jornalista de moda e beleza dentro das universidades (fiz até um post aqui desabafando, lembra?) e com as pessoas ao nosso redor. Isso acontece porque muita gente não recebe incentivo dentro da faculdade e os familiares e amigos, por ignorância ou falta de conhecimento, também não apoiam porque acham que isso não dá dinheiro. Outro fator muito importante é estar sempre no automático, jornalista pode trabalhar com tanta coisa e em tantos lugares, mas os próprios alunos e alguns professores permanecem com a visão esporte-política-cotidiano.

Pensando nisso, decidi criar um programa aqui no Nuveline para integrar universitários (não importa o curso desde que esteja ligado de alguma forma à essa área de moda e beleza) que queiram atuar nesse mercado. O lance é o seguinte: você entra em contato conosco contando sua história, como decidiu produzir conteúdo para esse público e envia uma matéria para analisarmos sua escrita e criatividade.

A ideia do #NuvelineIntegra é ajudar você a treinar sua produção de pauta, desenvolvimento de matérias e senso criativo. Ao longo do tempo você criará um portfólio que poderá ser apresentado para os veículos em que for se candidatar a trabalhar. Ninguém aqui é especialista em algo, mas todos nós temos dicas e força de vontade de aprender cada dia mais sobre essa profissão tão bem consolidada no mercado. E aí, você topa?

Envie seus dados, história e matéria para contato@nuveline.com.br e boa sorte!

26 abr, 2017 // por Dienifer Reis
O primeiro look no blog mostrando meu novo cabelo preto e usando minhas peças favoritas

Sim, essa sou eu. Depois de quase 5 anos sendo ruiva decidi voltar ao preto, cor que eu já tinha usado aos 13, 14 anos. Não vou falar muito sobre o motivo dessa mudança radical aqui porque em breve teremos vídeo no canal falando sobre, então bora focar nesse look que eu to amando!

Quem me acompanha desde o início do blog já deve ter visto essa camisa jeans por aqui. Ela é da C&A e tá no meu armário já faz alguns bons anos. Uso como sobreposição, amarrada na cintura, solo, fechada até a gola, aberta até a metade… É uma daquelas peças que nunca vão estar fora de moda.

Essa bolsa preta tá comigo em todo canto, da faculdade a viagens, por ser bem espaçosa, básica e versátil acaba sendo sempre minha primeira escolha. Ela é feita em couro fake e é da Zara, ganhei de presente de aniversário ano passado, ainda tá novinha, como se estivesse saído da loja hoje, ou seja, a bicha é de qualidade.

A mule foi um suuuper achado! Estava eu olhando os sapatos da Renner num dia qualquer sem pretensão alguma de comprar algo, mas aí vi ela, ali… escondida entre uma prateleira cheia de sapatos coloridos. Era a única exposta na loja e por sorte era o meu numero, paguei r$69 nela e uso praticamente todos os dias. Combina com absolutamente tudo, é prática e mega confortável.

A make desse look foi basicamente a que uso todo dia. Base de média cobertura, contorno na bochecha, iluminador, côncavo marrom bem esfumado, uma sombrinha rosa na pálpebra toda, raiz dos cílios levemente esfumada com sombra preta, sobrancelha preenchida (tô viciada!!!), batom nude e bastante rímel.

O top que estou usando por dentro da camisa é o Talita sem bojo da Linge, minha loja favorita de lingerie. Uso ele tanto como top quanto como sutiã e adoro porque não machuca e nem esquenta.

SHOP MY LOOK

Camisa: C&A | Calça: Algum box do Beco da Poeira | Top: Linge | Mule: Moleca | Bolsa: Zara | Colar: Em uma feirinha

créditos: fotos feitas pelo olhar dele, Ivens ❤

11 ago, 2012 // por Dienifer Reis
Hoje quando estava visitando uns blogs, vi um post sobre piercings que me chamou atenção e me serviu de inspiração. Me fez lembrar de quando eu queria – muito – clocar um no nariz, mas acabei desistindo. Pelo menos uma vez na vida alguém deve ter pensado na hipótese de colocar um piercing em algum canto do seu corpo. Mas o que muita gente não sabe é que o piercing assim como as tatuagens, surgiram em povos antigos como os maias e os faraós, naquela época grande parte dessas tradições serviam para marcar castas sociais entre as tribos. Hoje em dia não é mais assim, as pessoas usam e abusam deles em nome do estilo e principalmente entre os grupos de jovens.
Quando for fazer o furo procure informações sobre o lugar e todos os tipos de cuidados que você vai precisar ter. Isso é importante pra que depois não surja problemas maiores. Para evitar futuros transtornos, é ideal que o piercing seja muito bem higienizado, independente de qual seja o tipo, peça ajuda ao profissional que fizer o furo para que ele te dê dicas especiais para o período pós-furo.
É bem possível de que quando você fure surja a queloide, um carocinho rosado que em alguns casos aparece bem ao lado do furo. A blogueira Bruna Vieira passou por isso e por indicação de uma amiga ela usou uma pomada chamada DIPROGENTA que em menos de dois dias resolveu tudo.
Alguns tipos de piercings mais comuns:
1. Monroe piercing.

Acho que tipo bem fofo e delicado, é um dos poucos que eu usaria. Ele tem esse nome porque fica no mesmo lugar que a pinta da diva Marilyn Monroe, as estilosas do  WeHeartIt  são bem fãns desse tipo de piercing. Ele só teve reconhecimento em meados dos anos 90 e a sua cicatrização leva em média 11 semanas, o lábio costuma ficar inchado nos primeiros dias. As pessoas que já aplicaram dizem que a dor é suportável.

2. Nostril.

Tumblr_m8ba73qkgj1qhel9po1_500_large
Eu usaria! Esse é o que eu queria colocar mas acabei desistindo. É bem comum, na verdade acho que ele é o mais popular. Na hora da aplicação requer grande cuidado: técnica, posicionamento e jóias adequadas são fundamentais para um furo bem feito. Dizem que a dor é suportável, menor até de quando se fura a orelha. O tempo de cicatrização é de 6 a 12 meses.
 
3. Labret.
 
Acho bonito mas não usaria. Muito usado entre a tribo Scene. Há várias formas de perfuração e modelos de piercings para essa região. No mundo rocker ele faz bastante sucesso. O piercing deve ter a mesma espessura que  furo pra que não haja futuros incômodos tipo inchaço e inflamação. Sua cicatrização é em média de 8 a 12 semanas.
 
4. Piercing no Septo 
 
Acho muito lindo e ao mesmo tempo estranho, uma amiga minha usava e diz ela que a aplicação é muito dolorosa! As pessoas tem um certo preconceito com esse estilo já que costumam comparar as pessoas que usam com imagens de touros com septo nasal. A cicatrização pode sim ser bem dolorida, mas isso é normal já que tem uma grande quantidade de terminações nervosas na área.
5. Cheek Piercing.
 
A perfuração é feita no tecido facial, na cavidade bucal, é mais comum ver as pessoas usando esse tipo nos dois lados do rosto. Acho bem bonitinho, mas não usaria. Fica mais fofo em quem tem “covinhas” nas bochechas. A dor é rasuável e o tempo de cicatrização é de 8 à 12 semanas.
 
6. Piercing na língua. 
 
 
Pode não parecer mas é o piercing menos doloroso e mais rápido de cicatrizar. Dizem que a dor é suportável e que a língua pode ser furada em qualquer parte mas mesmo assim não dispensa o auxílio de um bom profissional na hora da aplicação. O tempo de cicatrização é de 4 à 8 semanas e pode sim ficar com a língua inchada nos primeiros dias. Eu jamais usaria esse tipo! Acho nojento e tenho medo de que inflame. 
 
7.  Smiley piercing.
 
Acho lindo, e teria coragem de colocar. Confesso que antes não curtia muito esse tipo mas depois de conhecer aquela minha amiga que colocou no septo, passei a gostar. Ele é bem discreto e tem esse nome porque só pode ser percebido quando sorrimos. A perfuração é feita no interior do lábio superior. Cicatriza de 6 à 8 semanas.
8. Navel piercing. 
 
Já passou o tempo em que eu achava esse modelo bonito, confesso que de um tempo pra cá a admiração acabou já que as meninas que usam costumam usar blusas mostrando a barriga (que por sinal é uma coisa que eu acho ridícula!), ele sem dúvidas é um dos mais populares aqui no Brasil, e no tempo dos faraós, somente a família real usava o piercing no umbigo. O tempo de cicatrização é em torno de 4 à 6 meses.
Bom, existe muitos outros tipos de piercings, mas trouxe só esses mesmo. Tem algum que você usaria? Qual? Comente! (: