25 jul, 2017 // por Dienifer Reis
Às vezes a vida segue um rumo totalmente diferente daquilo que sonhamos fazer, ter e ser

Falta exatamente uma semana para os meus vinte anos. E quem eu sou até agora?

Alguns aniversários me fazem pensar sobre minhas ações, pensamentos frequentes, autoestima, metas, sonhos, fracassos, conquistas… E, pensando na minha vida, cheguei a conclusão de que ela não é muito bem o que eu esperava que fosse atualmente. Mas e daí se eu ainda não tenho carteira de motorista? Era algo que eu sonhava em conquistar aos 18 e ainda almejo, mas tudo bem, já estou providenciando por conta própria e me orgulho muito disso! E qual o problema se eu não moro sozinha e nem tenho um mini porco rosinha, se não vou à academia todos os dias, se meu blog não é famoso, se não viajo a cada seis meses pra ver a família no Rio Grande do Sul, se não vejo minhas amigas toda semana (na verdade, se as vejo uma vez ao ano é muito, e é bom) e se até agora não fui pra China conhecer a casa e o cachorrinho da minha tia?

As coisas foram acontecendo de um jeito tão inesperado e milimetricamente perfeito pra mim que parece que foram planejadas por taaanto tempo que quando eu as conto até soa estranho. Como, por exemplo, quando meu sogro me convidou pra comemorar os 50 anos dele junto com a família numa viagem especial, quando contei na faculdade que o dono da maior revista de Fortaleza me convidou (por direct no instagram!) pra uma reunião com eles e, logo depois, me tornei estagiária, ou quando me toquei de que sim, eu moro com o meu namorado e não mais com os meus pais. Inclusive já falaram que somos praticamente casados já que dividimos nossas despesas pessoais, o armário e a cama. Será?

Eu nunca pensei que viajaria pra Europa antes dos 30 (que supostamente era quando eu teria dinheiro pra isso), nunca achei que entraria pro time da inVoga ou de qualquer outra revista com tão pouco tempo de faculdade, jamais planejei morar na casa dos sogros, na verdade, sempre pensei que isso fosse chato, inconveniente… e cá estou eu há cerca de um ano e meio (e amando). E o meu cabelo??? Quando que eu sonharia que teria um corte Midi Bob curtíssimo (na nuca!) e super preto?

Essas e outras coisas que os dezenove anos me trouxeram só serviram pra reforçar na minha mente que hipóteses e sonhos nunca são demais, por mais inalcançáveis que pareçam estar. Que não faz mal algum se permitir, se jogar de costas no novo, se descobrir ou se reinventar. Alguns números me fazem mudar da noite pro dia, como foi com os doze e os dezesseis. É como se minha perspectiva de mundo, minha postura, minha forma de se expressar, é como se tudo mudasse num click. Será que com os vinte também vai ser assim? Bem, só sei que o mundo deu suas voltas e por elas eu andei. 


 

Deixe sua opinião

Seu email não será publicado.



*

Comentários no Facebook